Uma história para todos os Líderes refletirem

Um armador tinha muito orgulho no seu barco e na sua equipa de pescadores. Era um dos maiores armadores da Figueira da Foz. Tinha uma equipa de 7 homens que todos os dias, no final do dia, iam para o mar e com sorte ou com técnica, traziam sempre o peixe suficiente para garantir uma vida folgada, ainda que de muito trabalho.

Um dia, o armador não apareceu, porque morreu. A sua morte surgiu enquanto descansava na sua cama.

Quando os pescadores souberam, ficaram desesperados. Não se viam sem o mestre; era ele quem tomava as decisões e quem os orientava.

Não se sentiam capazes de trabalhar sem o mestre.

O filho do armador tinha acabado o seu curso de gestão na Universidade do Porto. Regressado a casa, viu-se confrontado, assim como a mãe, com um grupo de pescadores desorientados e que não queriam ir para o mar sem o mestre.

A mãe, desesperada, pediu ao filho que os acompanhasse na pescaria. O filho recusou-se, porque de pesca nada percebia. Mas a mãe insistiu. E falou, aos pescadores, na possibilidade do filho os acompanhar. Eles ficaram felizes.

No final da tarde, todos esperavam o Arnaldo (filho do armador). Quando ele chegou, todos o olharam e questionaram:

– E agora patrão? O que fazemos?

– Se estivesse aqui o meu pai o que vos diria? (perguntou o Arnaldo)

Os pescadores identificaram todas as tarefas que estão na origem da partida do barco, tal com faziam sempre com o pai de Arnaldo. Depois de os ouvir, este disse:

– Então, é isso mesmo que vamos fazer!

E repetiu, uma a uma, todas as tarefas que eles tinham identificado de uma forma precisa, clara e emotiva.

A equipa, começou a fazer os preparativos para a partida, e fizeram-se ao mar.

Já em alto mar, a equipa voltou a dirigir-se-lhe, perguntando:

– E agora, chefe? O que fazemos?

Ao que o Arnaldo respondeu: – Se estivesse aqui o meu pai, e lhe fizessem essa pergunta, o quê que acham que ele respondia?

E mais uma vez a equipa disse exatamente o que deveriam fazer.

O Arnaldo repetiu de forma sistemática o que eles tinham dito, mas com muita convicção. E eles fizeram exatamente o que tinham dito.

Esta situação aconteceu mais uma vez quando foi necessário retirarem as redes do mar.

O Arnaldo atuou exatamente do mesmo modo.

Quando regressaram ao porto, a mãe do Arnaldo, tal como as esposas dos pescadores, aguardava-os ansiosa.

Quando saíram do barco, os pescadores felizes, disseram:

– Nós gostávamos muito do nosso falecido patrão. Mas o filho, ainda é melhor que ele!

“Os sentimentos elevados vencem sempre no final; os líderes que oferecem sangue, trabalho, lágrimas e suor conseguem sempre mais dos seus seguidores do que aqueles que oferecem segurança e diversão. Quando se chega a vias de fato, os seres humanos são heroicos.” – George Orwell

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

Create your website at WordPress.com
Get started
%d bloggers like this: